Skenografia 3d

O termo “Skenografia” refere-se a uma prática de pintura antiga. Da Grécia Antiga chegou-nos a ideia da escultura como possibilidade de representação, representação que no seu estado perfeito ganha vida, torna-se humana. Os Gregos também desenvolveram um sistema de re-apresentação, de tradução, das três dimensões em duas, na pintura de cenografia, designada “Skenografia”. Ao contrário da escultura, que podia aspirar a ser vida, a Skenografia no seu auge poderia ser considerada uma cópia, uma ilusão, uma mimése, sem possibilidade de humanidade. Para esta mostra proposta por António Guerra, pensei num trabalho que permitisse explorar a sugestiva e aberta ideia de ilusão no âmbito da fotografia. Recorrendo a métodos da fotografia do século XIX proponho assim fotografar possibilidades de perfeição (estátuas) e reapresentá-las de forma ilusória, em pares estereoscópicos.

É, de certa forma, um aprofundamento e uma continuação do trabalho Corta, baralha e dá, iniciado para a instalação Emergir – identity specific, com curadoria de Cristina Azevedo Tavares, na Casa dos Gessos do Museu Militar de Lisboa. Se nessa situação foi assumida a via da montagem fotográfica [a peça tem o nome “Corta, baralha e dá”], aqui a escolha foi de trilhar território estritamente fotográfico.

Acerca da exposição: In Ludo, curadoria de António Guerra no MiMo (Museu da Imagem em Movimento – catálogo), Leiria, Nov. 9 – Dez. 28,  2013. O catálogo está disponível em formato PDF, com textos do curador e dos artistas.
Fotografia e Escultura de João Daniel, Jorge Ricardo, Miguel Proença e Isabel Garcia.

‣ Versão deste artigo em: en ‣