Way home

Miguel Proença • Way home • é certamente uma paisagem submetida a grandes transformações pelo homem após centenas de anos em formação. Cedendo Às pressões humanas em direcção a uma economia com base no turismo uma nova paisagem é fabricada onde as vivências originarias e ancestrais são substituídas por umas artificiais e insustentáveis, umas que rapidamente erodem culturas e solos locais. O turismo como garantia, como alicerce e base equilibradora para um desenvolvimento económico e politico, como caminho único para o desenvolvimento. A fotografia como processo de pensamento/pensar sobre as questões das pressões paisagistas e ambientais resultantes desta acção do homem. A procura de como a paisagem tradicional pode ser actualizada ao tempo do presente trazendo a sua espantosa essência.

Way home

Way home tem como demanda inicial o estabelecimento de um sistema de medida, de uma unidade do visual nos assuntos da paisagem. Acontece num momento de procura de origens, daquilo que é o essencial. Mas também há aqui um jogo de memória fotográfica passada e futura.

Ficha do trabalho

Título: Way home, trabalho iniciado em 2017.
Provas: Jactos de pigmentos de cor s/ papel, 112 x 150 cm, 2017
Apresentado: exposição Fotografias e assuntos de paisagem a Sul, com curadoria de Paulo Catrica, Junho 2017, Casa das Artes.

‣ Versão deste artigo em: en ‣