Acerca

acerca · educação & biografia · especialização · encomendas · contacto · site

Acerca · retrato de Henrique Calvet · mp
Acerca · retrato de Henrique Calvet

Fotógrafo, vive e trabalha em Portugal (baseado entre Lisboa e Tavira). O trabalho concentra-se em questões que lhe são próximas. Neste momento, em particular, o ordenamento de território agrícola e florestal em Portugal, em geral, e no Algarve, em particular. Acerca do processo, parte geralmente de um ponto de vista documental. Este é posteriormente submetido ao processo de “tornar estranho”, acedendo com frequência a diversas estéticas (p.ex. surreal e formalista). O trabalho assenta também numa abordagem colaborativa ao processo criativo.

acerca · educação & nota biográfica

Após um contacto e uma formação inicial entre 1977 e 1985, é em 1997 que se decide por esta via – a fotografica – de expressão.

Com formação teórica e práctica em agronomia, solos e investigação em sistemas agro-pecuários e florestais (Licenciatura, U.Florida, 1989). O seu trabalho fotográfico documental é informado por este corpo de conhecimento nas ciências da natureza. Serve de facto de orientação de fundo para abordar e desenvolver questões ligadas a pressões sociais resultantes das mudanças do ambiente natural. A integração deste conhecimento tem levado o autor a tratar questões ambientais e da paisagem no seu pais, Portugal, onde actualmente (2018) se vive um risco real do início de prospecções petrolíferas e a implementação de fracking como resultado de políticas governamentais com falta de visão.

Entre 1998-2001 estudou fotografia documental, câmara escura e linguagem fotográfica em Milão na John Kaverdash School e no Círcolo Filológico. Aqui desenvolveu um projecto de street photography para as capas e o interior da revista Milano Free Magazine (2000-01). Inclui-se neste tempo Feira de Sinegallia (1998-1999), Artes da Ria (1999) e o início do projecto Alqueva (2000-2004). Os últimos foram publicados em formato album ou photo book.

Em Portugal a partir de finais de 2001, concluiu uma pós-graduação em Estudos de Fotografia (IADE, 2003-05) e o mestrado em História de Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (U. Nova, 2007-10) e actualmente frequenta o doutoramento na Faculdade de Belas Artes (UL, 2010–). O objectivo deste percurso académico tem sido o de acompanhar a prática fotográfica com algum desenvolvimento teórico. Alguns destes trabalhos estão disponíveis em Academia.edu.

acerca · especialização · encomendas · obras de arte · trabalho de autor · documental · paisagem · experimental

A vertente profissional assenta em encomendas nas especialidades de reprodução de obras de arte, arquitectura, paisagem e retrato, com finalidades editoriais, entre outras. Os formatos empregues variam, desde entre o digital e o analógico (grande formato p&b). Um conjunto de publicações onde figura este trabalho de encomenda esta disponível na Biblioteca Nacional.

O trabalho fotográfico de autor  tem como base a fotografia documental. Partindo usualmente de um paradigma documental, o trabalho vai trilhando o seu percurso. Por vezes assume uma vertente mais experimental, no sentido de poder questionar a própria fotografia. Trabalhos como, por exemplo, Alqueva paisagem que muda, povo que espera e Terra cinza seguem o impulso essencialmente documental, enquanto Artes & Artimanhas da terra para o mar (publicado em livro, o projecto ainda não figura no site) e Árvores estranhadas  começaram com essa idealização documental para chegarem a outra ideia. E claro, o acaso, a deambulação, os percurso meandrosos, são sempre vias para um entendimento alternativo ao fotografado.

acerca · conclusão

Como resultado prático desta vivência, o autor tem explorado outras vertentes da fotografia, além da documental. A dissertação sobre Fernando Lemos (2010) serviu, também. para confirmar um entendimento mais alargado, mais fluido, da fotografia. Nesta demanda outras questões tornaram-se pertinentes, como o conceito de “Ostranenie“; em O existente, o encenado e o “estranhado” (2006) e em Medusa (2010-). Em Domingo à tarde (2006), no contexto da ideia de um colectivo de fotógrafos, o  eyeyeye, o conceito de “estranhado” continua; desta vez através da cópia criativa de uma obra de Leonardo, que incluiu montagem digital e encenação. Esta ideia de colectivo de trabalho permitiu chegar ao projecto paisagem estranha entranha (2012- ) que em 2017 foi apresentado no festival de Arles.

acerca · contacto

miguelproenca (at) me.com

acerca · site

Sobre o nome do site, em Português, a escolha, logo que possível, tornou-se óbvia.  miguelproenca.com abandonado, e substituído por xn--miguel-proena-tgb.com (miguel-proença.com) logo que possível (2013).

O site é dedicado a uma selecção de trabalho de fotógrafo autor.  Abrange trabalho desde o documental de longa duração e o retrato contextual e paisagem ao de trabalho mais experimental em áreas de retrato, multimedia e reportagem. As actualizações do site incluem uma introdução gradual de trabalhos desde 1978, altura do início deste percurso.

O trabalho de encomenda poderá ser disponibilizado sob consulta.

Nota: o Acordo Ortográfico (1990) serve apenas de sugestão e confirma a idade do autor, de fato (ou sem).

mp · 2018.

‣ Versão deste artigo em: en ‣